Roteiro de Arte nas Barragens

Ver todas as histórias

Roteiro de Arte nas Barragens EDP, em Portugal

Ver todas as histórias

A EDP convidou artistas de renome do mundo da arte e da arquitetura para criar o Roteiro de Arte em Barragens, num projeto que junta a arte à engenharia.

Percorra este Roteiro connosco e conheça as barragens mais criativas de Portugal. Ficamos a aguardar a sua visita!

Barragem do Baixo Sabor

Álvaro Siza Vieira

Esta peça de arquitetura destaca-se de tudo o resto pelas suas linhas depuradas. O projecto inclui as construções destinadas ao equipamento técnico à superfície, o ajustamento dos acessos verticais às instalações no subsolo e ainda o tratamento paisagístico da área de implementação. No exterior, vemos as formas retas em betão, no inferior e terraço vemos materiais como madeira e pedra mármore Ataíja.

Projeto de Siza Vieira na Barragem do Baixo Sabor

Barragem da Caniçada

Vhils (Alexandre Farto)

Com base num dos conceitos transversais à obra de Vhils, este mural, em grande escala, visa prestar uma homenagem à capacidade empreendedora e construtiva do ser humano, refletindo ainda a intenção de humanizar o património edificado para que o público se reveja e reflita sobre o mesmo. A peça presta ainda uma homenagem à resiliência da população local face ao êxodo rural que tem afetado a salvaguarda da identidade e do património cultural que lhe é inerente.

Vhils, na Barragem da Caniçada

Barragem de Foz Tua

Eduardo Souto Moura

Através da arte e da arquitetura, esta obra tem como missão reduzir o impacto da infraestrutura na paisagem do Douro Vinhateiro e fomentar um novo pólo de atração cultural para a região. Quase integralmente subterrânea, esta obra adopta formas e materiais característicos da zona, como o granito, os socalcos e os muros de xisto. No exterior, ficará apenas o complexo de máquinas, em consonância com a icónica ponte de Edgar Cardoso.

Souto Moura na Barragem de Foz Tua

Barragem de Frades

Graça Morais

A 350 metros de profundidade, os 22.126 azulejos Viúva Lamego foram pintados manualmente conforme desenhos originais da artista: um ramo de oliveira que se transforma nos vinte painéis sob fundo amarelo e verde sépia. Este espaço ganhou uma nova luminosidade e alterou por completo a vivência das pessoas que passam e trabalham neste espaço.

Graça Morais na Barragem de Frades

Barragem de Alqueva

João Louro

Recortada em aço corten, a frase ON A CLEAR DAY YOU CAN SEE FOREVER mede 61 metros de comprimento, e cada letra 2 metros de altura. Com esta frase, o artista quis transmitir que o dia claro tem que existir no interior de cada um, e que só assim poderemos pensar e construir o nosso futuro, sem nuvens. A zona é de descanso e convida à contemplação desta frase, que contrasta com o céu e a água.

João Louro, na Barragem do Alqueva

Barragem do Baixo Sabor

José Pedro Croft

Esta complexa obra de engenharia e escultura é constituída por duas fases. Foi criado um miradouro na margem sul do rio, onde foram instalados binóculos que ampliam até 30 vezes o campo de visão. Na outra margem, foram colocados cinco espelhos de escala monumental para refletirem a envolvente, assim como cinco molduras que deixam transparecer pormenores da paisagem. A obra permite ao visitante fazer uma leitura paradoxalmente fracionada e integradora da obra de arquitetura/engenharia com a natureza.

Arte nas Barragens - Croft

Barragem do Alto-Lindoso

José Rodrigues

Com 15 metros de altura e constituído por 10 elementos triangulares, esta escultura leva ao topo uma conduta de água que a faz descer ao longo dos seus obeliscos. Com esta escultura, em pedra granítica da região, José Rodrigues quis estabelecer um contraste entre a natureza e a alta tecnologia, realçando a água como símbolo de vida.

Arte nas Barragens - Jose Rodrigues

Barragem de Bemposta

Pedro Cabrita Reis

Com o título A Cor das Flores, esta obra preenche, de uma só cor, uma vasta superfície da barragem da Bemposta. Como uma tela gigante, com cerca de 13.000 m2, este amarelo está sujeito também a alterações provocadas pela natureza, quando a força vegetal percorrer aquelas paredes. Esse é o objetivo: é uma obra que pretende simultaneamente afirmar-se e integrar-se na paisagem.

Roteiro de arte nas barragens - Pedro Cabrita Reis

Barragem de Picote

Pedro Calapez

Esta obra consiste numa série de imagens que se encontram no espaço interior do edifício, na nave da sala de turbinas. Os 71 desenhos coloridos estão sustentados por um discreto sistema de fixação metálica e são fragmentos relacionados com a produção energética, nas suas vertentes científica, tecnológica, de segurança e gráfica. A cor e o modo como o vidro recebe e reflete a luz do interior da nave são elementos dinamizadores da obra junto dos observadores.

Roteiro de arte nas barragens - Pedro Calapez

Barragem de Foz Tua

Rui Chafes

Realizada em aço pintado de negro, com um comprimento de 10 metros, esta obra permite que se entre e percorra um espaço de penumbra e silêncio. Neste espaço, apenas existe uma fresta vertical, muito estreita, onde podemos observar somente um fragmento da paisagem e do céu. A forma simples, minimalista e sintética desta obra permite ao visitante tomar consciência do poder e integridade da Natureza.

Roteiro de arte nas barragens - Rui Chafes

Partilhe as suas fotos!

Se visitar estas barragens não se esqueça de registar o momento! Partilhe as suas fotografias com a hashtag #barragenscomarte

#barragenscomarte