Comercialização

setor energético

Setor energético em Portugal

A EDP é o principal investidor em Portugal e um dos motores da economia e do desenvolvimento nacional

Liberalização do mercado

Ao nível da comercialização, tem-se assistido a uma crescente liberalização do sector. Em 2015, o mercado livre representou cerca de 92% em Portugal e 88% em Espanha do volume total de energia eléctrica comercializada. Os preços de venda finais para clientes domésticos continuam a estar acima da média da União Europeia, tanto em Portugal como em Espanha, sendo esta realidade válida em Portugal desde o aumento do IVA de 6% para 23% em Outubro de 2011. Para clientes industriais, os preços em Portugal têm-se mantido abaixo da média da UE.

O consumo de gás natural reparte-se tipicamente em duas grandes utilizações: consumo convencional (consumo doméstico e industrial, incluindo para as unidades de cogeração) e consumo do sector eléctrico. Em 2017, o grande aumento da procura de gás das centrais de ciclo combinado (CCGT) contribuiu para um crescimento de 11% da procura de gás na Península Ibérica, relativamente a 2016.

Apesar do consumo ter aumentado, as quantidades contractualizadas continuam a exceder a procura, levando à necessidade de desvios de elevados volumes de gás natural para mercados internacionais. Contudo, os spreads dos preços de gás não viabilizam desvios do gás Ibérico para a Europa e Ásia, fazendo com que o destino mais rentável para a colocação do gás seja a geração eléctrica via CCGT.